3 de outubro de 2013

Brasil Sobre Rodas | A história do transporte coletivo urbano no Brasil | Era: 1820

A  Serpentina
A serpentina era um meio de transporte de famílias abastadas do princípio do século XIX. A miniatura da foto foi inspirada em uma gravura de Debret da década de 1820. O nome serpentina deriva do adorno em espiral colocado na extremidade dianteira do teto. Note-se o peso extremo que os escravos eram obrigados a carregar

 
A  Sege
Um dos primeiros veículos sobre rodas utilizado no Brasil, a sege ainda era usada no final do século XIX em logradouros distantes do centro do Rio de Janeiro. Esta viatura podia ter duas ou quatro rodas, dois varais, cortina de couro à frente e vidraças. Após a vinda da Corte Portuguesa para o Brasil, em 1808, a circulação destes veículos aumentou consideravelmente, o que levou a administração pública a adotar uma série de medidas para regulamentar a circulação, também congestionada pela largura limitada das ruas. A imagem mostra uma sege, juntamente com uma serpentina, nas ruas do Rio de D. João VI.
 
A  Rede
A miniatura da imagem reproduz um meio de transporte usado no Brasil no princípio do século XIX, a rede. Esta ficava presa a um varal, carregado nos ombros de dois escravos. O menino deveria proteger o senhor em caso de sol ou chuva com sua sombrinha
 
A cadeirinha
Um dos meios de transporte mais utilizados no período colonial, a cadeirinha continuou em uso durante boa parte do século XIX no Brasil. O modelo representado pela miniatura, de acordo com gravuras da época, aproximadamente em 1820, servia principalmente para o transporte urbano, e os escravos trajando libré denotam a situação abastada do proprietário
 
Carregadores de cangalha
Estes escravos, retratados por Debret aproximadamente em 1820, carregam um pesado tonel através de um dispositivo de cordas e varas chamado cangalha, indicado também para o transporte de móveis pesados e frágeis 
 
Carreta a tração humana
A miniatura da imagem reproduz uma carreta, conhecida popularmente na época como “piolho”, puxada por escravos. A gravura na qual o modelo se baseia foi feita por Debret, na década de 1820, no Rio de Janeiro. As mercadorias haviam sido liberadas pela alfândega e os escravos as estão transportando para a casa do proprietário. Era indispensável haver um homem de confiança no grupo para evitar furtos no trajeto . 
 
 Liteira
Esse modelo de liteira foi feito de acordo com as gravuras de Debret, dá década de 1820. Eram usadas pelas famílias de ricos fazendeiros nas viagens da cidade do Rio de Janeiro até os engenhos de cana de açúcar.

O Botão do Whatsapp só funciona em dispositivos móveis

Digite o que deseja e aperte enter para procurar